Publicidade
Cheila Naves

Cheila Naves

Mãe de três filhas, Cristã, Professora do IFTO, Empresaria de uma academia exclusivamente feminina. Foi a primeira coordenadora do projeto social internacional Brasil - Canadá, que trabalhava com mulheres em estado de vulnerabilidade.

É um fato que a maneira de fazer humor, comédia de uma grande quantidade de pessoas simultaneamente mudou. Não só pelo conteúdo mas pela forma. Umas duas décadas atrás a família sentava-se à frente da tv e digeria de forma muito agradável o que os Trapalhões faziam. Depois vieram personagens específicos como os diversos de Tom Cavalcante, Tiririca, os rapazes do Casseta e Planeta, Hermes e Renato até chegar ao Porta dos Fundos que mesclou o stand up comedy dos palcos com a internet e abriu as telas dos computadores e celulares para tantos talentos que tem públicos “continentais”.

Quarta, 22 Novembro 2017 08:05

Quando o humor vai embora

Já passamos do Outubro Rosa, estamos no chamado Novembro Azul, meses em que são intensificadas as campanhas de combate ao câncer de mama e próstata, respectivamente. As iniciativas são mais que válidas, afinal pelo menos nesse período a sociedade parece ‘acordar’ para um mal que ronda a todos nós cada vez com mais veemência. Por isso a necessidade de falar do câncer em qualquer oportunidade. No último dia 10 de novembro, o Brasil se entristeceu com a partida da atriz Márcia Cabrita, vítima de câncer de ovário, contra o qual lutou bravamente por sete anos. Uso o exemplo da artista porque se fez ser conhecida por arrancar risos de muitos de nós em vários papeis de sua carreira e, especialmente, no humorístico Sai de Baixo, interpretando a doméstica Neide Aparecida.

Quem diria que a curiosidade de uma garotinha gaúcha criada em meio a recortes de tecido, agulhas e linhas entre a casa da avó e da mãe se transformaria, décadas depois, em peças lapidadas a partir da natureza do Tocantins... Foi a infância simples da Andrieli Pinto, junto à necessidade de aprender um ofício que auxiliasse no sustento da casa e aulas de bordado e pintura que eram disciplinas na escola pública em que estudava em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, que deram um norte quando a então jovem recém casada vinha tentar a vida no mais novo Estado da Federação, no início dos anos 2000.

Página 1 de 8

Colunistas

Acesso Restrito

Contato

© Todos os direitos reservados. Ivonete Eich / Coluna VIP Tocantins | 2013-2017.

Desenvolvido por OceanoAzul 100x27