Publicidade
Terça, 22 Agosto 2017 10:00

Correr é mais que um verbo Destaque

Publicado por
Avalie este item
(5 votos)

Na era de tanto sentido para tudo, seja para a comida, para as relações, para o que se posta nas redes sociais, para a quantidade de piscadas que uma pessoa dá quando mente ou fala a verdade, acharam o significado de CORRER também: reduz a gordura corporal; melhora a ansiedade e tensão, a qualidade do sono, a capacidade cardiovascular e pulmonar, os níveis de colesterol, a força de membros inferiores e etc. etc. etc. Isso tudo é verdade e, especialmente, depois dessas descobertas deixamos de dar atenção a esse movimento num único dia do ano - 31 de dezembro quando ocorre a São Silvestre - e passamos a inserir na nossa rotina, tanto que temos populações inteiras sendo adeptas da corrida. Veja o exemplo de Palmas, onde há um calendário oficial exclusivo para corridas, o Circuito Virgílio Coelho.

Pensando de forma bem local, muita gente pode achar que os grupos de corrida ou a participação nas etapas do Circuito é modinha pra ganhar curtida. Mas treinar na temperatura que temos por aqui, reservando tempo dos afazeres tão mais prazerosos que evitam suor, dor física e até a inquietação da mente no período de adaptação, está longe de ser sacrifício sem propósito. E, olha que quando falo de dor é no sentido mais literal dessa palavra.

Entre caixas de mudança e dias que não consigo falar com minhas filhas direito, me inscrevi na Meia Maratona do Rio, uma experiência que necessitava viver há algum tempo, por razões pessoais e profissionais. Querer participar dessa competição no Rio de Janeiro já foi um passo mais largo incentivado pela rotina do grupo de corrida da Femine Fitness Center e uma forma de trabalhar a disciplina, pois por mais que eu esteja longe do grupo de elite de uma competição desse nível, tinha que superar o meu limite e isso exige treinamento.


Revi e priorizei a agenda e fui correr para preparar o corpo. Faltando cinco dias para o evento no RJ, um tombo daqueles de esfolar por fora e por dentro. Mas se a gente só levanta quando cai, foi bem o movimento inverso ao da queda o que fiz. Tratei dos machucados que não foram poucos, recebi carinho do meu grupo de corrida, mantive o foco e viajamos rumo ao nosso objetivo.

Na paisagem da cidade maravilhosa, toda dor foi esquecida, as dificuldades anteriores se tornaram insignificantes e a experiência que eu tanto almejei se materializou. Foram muitos km de obstáculos superados. Corri em meio a uma multidão e passei pela linha de chegada muitas posições atrás dos grandes campeões. No entanto, eu VENCI a XXI Meia Maratona Internacional do Rio, pois cumpri a minha meta.

Última modificação em Terça, 22 Agosto 2017 10:35
Cheila Naves

Mãe de três filhas, Cristã, Professora do IFTO, Empresaria de uma academia exclusivamente feminina. Foi a primeira coordenadora do projeto social internacional Brasil - Canadá, que trabalhava com mulheres em estado de vulnerabilidade.

www.colunaviptocantins.com.br/cheila-naves
Publicidade
hop3

Colunistas

Acesso Restrito

Contato

© Todos os direitos reservados. Ivonete Eich / Coluna VIP Tocantins | 2013-2017.

Desenvolvido por OceanoAzul 100x27