topocolunavip

Publicidade
Terça, 09 Abril 2019 10:55

Saúde reforça a importância do uso de repelente durante a gestação; protetor contra o Aedes é distribuído gratuitamente no SUS

Publicado por
Avalie este item
(0 votos)

Em 2015, o Brasil viveu um surto de zika vírus associado a casos de microcefalia em bebês quando gestantes contraíram a doença durante a gravidez. Desde então, o uso de repelentes tornou-se essencial para todas as grávidas, protegendo-as contra o mosquito Aedes aegypti, vetor de zika, dengue e chikungunya.

Na rede pública, o Ministério da Saúde envia aos municípios repelentes a serem distribuídos para as gestantes. De início a recomendação de uso do repelente era apenas nos três primeiros meses de gravidez, mas em pouco tempo o seu uso foi recomendado para toda a gestação. Sendo assim, as gestantes recebem dois frascos mensalmente para se protegerem do mosquito. Em Palmas, atualmente 1.960 mulheres que fazem o pré-natal nos Centros de Saúde da Comunidade da Capital são contempladas com repelente.

A gestante Andreia Lopes Tavares, 31 anos, está no sétimo mês de gravidez, ansiosa pela chegada de Mirela. “É minha primeira filha e desde o início do pré-natal sigo todas as orientações e uso o repelente para que ocorra tudo bem. Quando vou para a chácara, passo várias vezes e mosquito nenhum chega perto, protege mesmo”, recomenda Andreia, lembrando que já teve dengue há muito tempo.

Adivan Pereira Silva, 28 anos, está no quarto mês de sua terceira gestação e toma todo cuidado com ela e o bebê. “Eu não sei diferenciar o mosquito da muriçoca, mas sei que ao usar o repelente nenhum deles chega perto. Eu nunca tive nenhuma dessas doenças que ele transmite, mas o relato de quem teve já me assusta, por isso faço de tudo para me proteger”, disse.

O enfermeiro do CSC Valéria Martins (Arse 122), Ériko Marvão, reforça a importância do uso do repelente. “A partir do dia que a gestante inicia o pré-natal aqui na unidade, a gente dá uma série de orientações e dentre elas, entra a orientação sobre as arboviroses: dengue, zika, chikungunya e febre amarela, medicações necessárias e as vacinas que precisam tomar. Sempre tem alguma gestante recusando algum tipo de orientação, mas a gente observa que as gestantes que fazem o uso do repelente ficam de fato protegidas de outros mosquitos inclusive”, reforçou.

Modo de usar

De acordo com o Ministério da Saúde, a aplicação nas áreas do corpo que são expostas ao sol deve ser reforçada a cada dez horas, mas o uso de repelentes não deve ser a única medida a ser tomada para evitar a transmissão das doenças. A melhor maneira de se proteger contra o mosquito é eliminando seus criadouros.

É importante que as gestantes adotem ainda medidas simples que possam evitar o contato com o Aedes aegypti, como se proteger da exposição de mosquitos, manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida, entre outras. “A população precisa acreditar nesses recursos de prevenção e é até estranho a gente vê tantos casos de dengue acontecendo hoje, porque a prevenção é simplesmente eliminar água parada. Está faltando cuidado, não tem como o profissional de saúde invadir a casa do morador e dizer faça isso ou aquilo, cada um tem que fazer a sua parte”, concluiu o enfermeiro Ériko.

Raíza Ribeiro

Ivonete Eich

Colunista social, jornalista, empresária, professora de matemática, química, física e biologia. Natural de Cerro largo RS. 
 

Publicidade

Colunistas

Acesso Restrito

Contato

© Todos os direitos reservados. Ivonete Eich / Coluna VIP Tocantins | 2013-2017.

Desenvolvido por OceanoAzul 100x27